Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Não te sinto

por Carina, em 18.04.11

Agarro-me às recordações, olho vezes sem conta para trás, mas nada disso te trás de volta, não encontro a pessoa fabulosa que eras quando nos apaixonámos pela 1ª vez. Não vejo mais o sorriso constante e o brilho no olhar. Não vejo mais aquele AMOR, sabes? Romantismo, ternura, carinho, vontade de te ter, de te viver. Deixei de ver tudo isto na pessoa por quem me apaixonei há anos sem conta pelo seu brilho no olhar a sua vontade e coragem. Deixei de me ver nos olhos dele e me sentir no seu coração. Deixei de o sentir – não o encontro e levou tudo com ele! Quem disse que havia finais felizes e histórias perfeitas? Estou cansada de tantas voltas que a vida me faz dar. Farta de dizer “eu desculpo”, farta de ser eu quem fica, quem espera, quem ama incondicionalmente. Já não te sinto em mim, já não me sinto em ti, já não te sinto em mais ninguém.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:28


1 comentário

Imagem de perfil

De Daniela Barreira a 18.04.2011 às 18:03

Levam-nos pedaços, ao longo do tempo, mesmo sem darmos conta. Damos, no final. Vemos os pedaços todos que nos foram levados, que ficaram a fazer-nos falta. Levam-nos pedaços, arrancam-nos sem dó nem piedade, porque se nós não damos conta, ao longo do tempo, quem nos os leva muito menos o dá. Ou dá mas não se importa. Não, não dá, não pensa nisso. Mas levam. Levam-nos pedaços. Pedaços do que somos, do que fomos. Partem, ou porque partem ou porque nos esgotámos e lhes pedimos para ir, ou os mandámos ir. Partem mas não vão sós. Vão embora e nós também, pedaços. Levam-nos pedaços. Tiram-nos. Sem autorização.

Foi e levou-te pedaços. Mas tu... o que tu és, permanece. A tua beleza, a tua, aquela que tu sabes que é tanto tanto, permanece. A tua essência. Permanece, continua aí, prometo. Ainda que agora possas não a conseguir ver, clara, nítida, forte. Mas eu digo-te que ela permanece aí. Permanece sempre. Às vezes fica é um bocadinho mais escondida, esconde-se, abriga-se. Mas não deixa de existir. Nem deixa de existir aí, em ti e para ti. Permanece. Fica aí, mais escondida, à espera que a consigas ver de novo. E depois para isso surgem algumas raridades, como as almas que te são gémeas, para que te ajudem e fiquem ao teu lado mesmo que em silêncio e mesmo que quietas, sem nada fazer. Nada de nada. Apenas para estar. E passar contigo este tempo, até que te fundas com esta força invencível que só o amor consegue. E consigas começar de novo a ver essa beleza, essa força, que está aí e é tua. E é para ti. Que te faz levantar de novo e sorrir, com quem permaneceu ao teu lado, apenas para passar contigo o tempo. Este tempo que agora dói. Mas que vai passar. E que... seja para que lado for, tudo irá ficar bem. Mesmo que não o vejas agora. Não o esqueças, vai.

Força minha tontinha perfeita, um abraço enorme e tanto tanto :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Abril 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930




Links

Caixinha de segredos